"Aprender é descobrir aquilo que você já sabe. Fazer é demonstrar que você o sabe. Ensinar é lembrar aos outros que eles sabem tanto quanto você". (Richard Bach)

Quem sou eu

Minha foto
Florianópolis, Santa Catarina, Brazil
Sou Pedagoga-Educação Especial e especialista em Psicopedagogia e Atendimento Educacional Especializado. Atualmente sou professora efetiva da sala multimeios (SRM) da EBM Osmar Cunha e atuei anteriormente na EBM Pe. João Alfredo Rohr em 2008 e 2009, ambas em Floripa. Em Porto Alegre fui professora no Instituto de Formação e Pesquisa Montessori em 1992, realizando atendimento de crianças com necessidades especiais.Fui Coordenadora Pedagógica do CEI Olívia Palito e prestei Assessoria Pedagógica à Escolas de Ensino Fundamental. Em 1998 atuei na FUPASMI, realizando atendimento de crianças e adolescentes com Autismo e Esquizofrenia. Em 2000 em Florianópolis/SC,passei a trabalhar na APAE - junto às turmas de Educação Infantil, Adolescentes e Adultos e Autistas. Em 2002 fui professora na Escola Especial Vida e Movimento. Em 2005 e 2006, morando no interior do Rio Grande do Sul fui Coordenadora Pedagógica das Escolas Municipais Catarina De Bastiani e Dona Leopoldina e fiz parte da equipe de apoio da Prefeitura Municipal de Tapejara/RS realizando avaliação e atendimento psicopedagógico.

PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA EDUCAÇÃO ESPECIAL PSICOMOTRICIDADE

PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA    EDUCAÇÃO ESPECIAL    PSICOMOTRICIDADE

CONSULTORIA PEDAGÓGICA E PSICOPEDAGÓGICA

"O foco da psicopedagogia é o processo de aprendizagem humana; seus padrões normais e patológicos, considerando as influências do meio durante o seu desenvolvimento. A intervenção visa a otimização das potencialidades e minimização das dificuldades, buscando sempre os recursos das várias áreas do conhecimento para a compreensão do ato de aprender, valendo-se de métodos e técnicas próprias.”


Avaliação Pedagógica ou Psicopedagógica
Diagnóstico e Intervenção
Avaliação Psicomotora
Atendimento Educacional Especializado
Orientação à família e à escola
Elaboração de Projetos Pedagógicos Interdisciplinares
Artesanato-terapia
Jogos Pedagógicos e adaptados
Projeto Psicopedagogia e Psicoterapia na Escola

Consultoria - Palestras:
- Leitura: maneiras de ensinar, maneiras de aprender - uma possibilidade teórica que se efetiva na prática.
- Dislexia - um jeito de ser e de aprender diferente.
- TDA/H - O que é isso?
- Dificuldade, Distúrbio ou Transtorno de Aprendizagem?
- Conhecendo a Discalculia.
- O Jogo e a Brincadeira na Alfabetização.
- Educar para Pensar - um pouco de filosofia.
- Conhecendo o Autismo.

PSICOPEDAGOGIA E EDUCAÇÃO ESPECIAL

A psicopedagogia não vê a aprendizagem somente dentro do espaço da escola, pois entende que ela ocorre em todos os lugares e durante o tempo inteiro no decorrer da existência humana. Investiga as relações do indivíduo com o conhecimento, o vínculo deste com a aprendizagem e as significações contidas no ato de aprender. Articula saberes e fazeres dentro de um espaço lúdico atendendo o aprendente-ensinante em suas necessidades específicas, acreditando e desenvolvendo o potencial de cada um. O público-alvo não se restringe às crianças e aos adolescentes, pois hoje em dia muitos adultos vêm buscando tratamento para as suas dificuldades que muitas vezes se acentuam com a entrada na faculdade.
A clínica psicopedagógica se divide em 4 momentos:


1º - Entrevista (anamnese) – realizada com a família da criança ou com o próprio paciente se este for adulto.


2º - Avaliação (5/6 sessões) – momento de investigação da situação apresentada:
- Desenho Projetivo – Par Educativo
- Provas Operatórias – Piaget
- Caixa de Areia – Sessão Lúdica
- Ditado Balanceado
- Avaliação da Leitura e Escrita
- Avaliação Perceptivo-motora
- Hora do Jogo Psicopedagógica
- Consciência Fonológica
- Avaliação específica do transtorno (AHA–TDAHI adulto; Check List Dislexia adulto; elementos do PEP-R adaptado - Autismo).


3º - Devolutiva – retorno daquilo que foi avaliado e de forma se dará a intervenção.

4º - Intervenção - atendimento em sessões que variam em número de atendimentos semanais de acordo com a necessidade do sujeito.

Os pais são os maiores especialistas em seus filhos, portanto, se perceber que alguma coisa está errada, não demore em procurar ajuda de um especialista. O psicopedagogo é o profissional especialista em aprendizagem. Se a criança não está aprendendo procure ajuda deste profissional. Lembre-se que sozinho não chegamos a lugar algum. Busque apoio e esclareça suas dúvidas sempre que sentir necessidade.



Contato:

Rua João Carlos de Souza, 315 - Santa Mônica - Florianópolis - Santa Catarina


andreiapsicopedagoga@hotmail.com
F: (48) 9162-4810

Para outras localidades ou se você preferir - consultoria on-line. Agende também através do msn com horário previamente marcado após confirmação do pagamento. Entre em contato para maiores informações.


O LEGAL É SER DIFERENTE!

APRENDER! APRENDER? APRENDER. APRENDER...

VISITANTES ON LINE

ENCONTRE O QUE VOCÊ PROCURA!

domingo, 20 de setembro de 2009



sexta-feira, 18 de setembro de 2009

JOGO DOS SETE ERROS - TURMA DA MÔNICA

Fazendo buscas na internet, encontramos muitos materiais para enriquecer o trabalho pedagógico diário. Disponha em sua sala uma caixa com atividades diversificadas para que os alunos escolham uma. Essas atividades são alternativas para alunos que terminam as atividades mais rápido que os outros. Respeitar o ritmo de cada criança é fundamental para um desenvolvimento saudável.
















ATIVIDADES DA TURMA DA MÔNICA

Fazendo buscas na internet, encontramos muitos materiais para enriquecer o trabalho pedagógico diário. Disponha em sua sala uma caixa com atividades diversificadas para que os alunos escolham uma. Essas atividades são alternativas para alunos que terminam as atividades mais rápido que os outros. Respeitar o ritmo de cada criança é fundamental para um desenvolvimento saudável.
















MANDALAS

Estas mandalas fazem parte da minha coleção. Pintar uma mandala é um excelente exercício de atenção e concentração. A mandala também ajuda a relaxar. Depois de pintadas você pode utilizar para meditar ou simplesmente decorar. Imprima já a sua e comece a pintar. Depois me conte como foi. Aguardo seu contato!

















BONECAS DE PAPEL

Oi Pessoal! Gostaria de compartilhar com vocês uma outra paixão. Além de amar a educação sou apaixonada por bonecas de papel. Estou sempre procurando novidades e acrescentando no meu álbum. Essas que estão abaixo eu brincava quando era criança. Agora são minhas filhas que brincam. Aproveite e copie a sua também, depois imprima, recorte e brinque, ou...simplesmente colecione.


















domingo, 30 de agosto de 2009

A U T I S M O

Segundo as descrições do DSM-IV e CID-10 o Autismo é classificado dentro dos Transtornos Globais do Desenvolvimento ou TID – Transtornos Invasivos do Desenvolvimento, que abrange um espectro muito heterogêneo, pois, seu diagnóstico se apóia em descrições fenomenológicas em vez de critérios etiológicos, ou seja, déficits na sociabilidade, na empatia, na capacidade de compreensão e percepção dos sentimentos dos outros; déficit na linguagem comunicativa e imaginação; déficit no comportamento adaptativo e na flexibilidade cognitiva. Essas descrições fenomenológicas definem o chamado Autismo Clássico que o diferencia de outros TIDs. Há certa confusão, na literatura, em relação à terminologia; Autismo e Transtorno Invasivo do Desenvolvimento. O termo Autismo diz respeito ao Autismo Clássico, um dos transtornos mais graves do espectro do TID.
Os Autistas são alheios aos estímulos ambientais, têm imaginação pobre, dificuldades de abstração e de aprendizagem. Apresentam comportamentos repetitivos (estereotipias) e acentuadas resistências às mudanças. A etiologia é desconhecida e o diagnóstico é impreciso. Requer muito estudo e análise exploratória em muitos níveis diferentes do desenvolvimento da criança e do adolescente, como do comportamento à cognição, da neuropsiquiatria à genética, da fonoaudiologia à psicopedagogia, da psicologia à terapia ocupacional e nas estreitas interações interpessoais ao longo do tempo (SHULTZ, 2005 e KLIN et. al. 2006).
De uma forma geral, a educação de autistas acaba sendo prejudicada pelas manifestações comportamentais e pelas características próprias da síndrome: desvios na atenção, dificuldades de comunicação, aprendizagem pelas rotas visuais, apego aos detalhes, falhas na generalização, entre outras. No entanto, é possível adaptarmos o ambiente e o material para facilitarmos a aquisição de habilidades. Para tanto, sugerimos:

-Adequação da proposta pedagógica ao nível de funcionamento;
-Adequação da proposta pedagógica à faixa etária;
-Eliminação dos estímulos concorrentes para orientar melhor a atenção da criança em sala de aula (não deixar muito perto de portas, janelas, evitar muita decoração nas paredes, deixar somente o material que for usar á vista, etc.);
-Oferecer regras claras e visuais (associar gestos, imagens, fotos e objetos á dica verbal). Ex: ao falar “João, agora é hora de sentar", bater levemente na cadeira com a mão, mostrar a cadeira, fazer um som com a batida da sua mão na cadeira, enquanto direciona a criança na execução da ação;
-Oferecer atividades da forma mais estruturada possível, com poucos objetivos por vez. É melhor oferecer várias tarefas curtas do que poucas tarefas longas;
-Incluir em todas as propostas, a estimulação da comunicação (o que não precisa significar somente FALA). Sabermos que quanto melhor a criança se comunica, melhor é o seu comportamento;
-Verifique as habilidades da criança, o que ela já consegue realizar sozinha e alterne com atividades em que ela ainda necessita de ajuda;


-Dividir o tempo da aula em minutos (ex: de 20 em 20 minutos) e variar as tarefas dentro desses momentos. Procure iniciar o dia de trabalho sempre com uma tarefa que favoreça o engajamento da criança para garantir a motivação e o sucesso. Ensine que cada espaço tem a sua função. Lanche é no refeitório (e não dentro da sala de aula); tomar banho é no banheiro; etc.



Descobrir que o filho é autista pode ser uma experiência angustiante. Hoje, com uma abordagem pedagógica e terapêutica adequada, essas crianças podem vir a se desenvolver muito bem, ainda que de forma diferente de outras crianças.


APRENDER EM CONSTRUÇÃO

Andréia Santos da Costa Ferrão

Pedagoga - Educação Especial

Especialista em Psicopedagogia

Av. Madre Benvenuta, 1584 - sala 11 - 1º andar

Santa Mônica - Florianópolis - Santa Catarina

F: (48) 9162-4810


Avaliação e Intervenção de crianças, adolescentes e adultos com Dificuldades ou Transtornos de Aprendizagem: Autismo, Dislexia, Discalculia, Disgrafia e TDA/H/I. Artesanato-terapia e Psicomotricidade. Elaboração de Projetos e Jogos Adaptados. Palestras. Orientação à família e à escola. Projeto Psicopedagogia e Psicoterapia na Escola. Consultoria Pedagógica e Psicopedagógica. Visite o Blog e o site e entre em contato!

Os pais são os maiores especialistas em seus filhos, portanto, se perceber que alguma coisa está errada, não demore em procurar ajuda de um especialista. O psicopedagogo é o profissional especialista em aprendizagem. Se a criança não está aprendendo procure ajuda deste profissional. Lembre-se que sozinho não chegamos a lugar algum. Busque apoio e esclareça suas dúvidas sempre que sentir necessidade.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

ENTREVISTA CONCEDIDA AO DIÁRIO WEB - São José do Rio Preto/SP - sobre GINÁSTICA CEREBRAL

Impressão de Notícia

DICAS PSICOPEDAGÓGICAS



  • Sem conhecimento teórico sobre a leitura, a escrita, conceitos matemáticos e ortografia, nenhum profissional da psicopedagogia pode atuar de forma competente e eficiente no campo destas dificuldades específicas. Parafraseando Alícia Fernández que utiliza a metáfora do equilibrista para exemplificar a importância da teoria – O artista se equilibra na corda bamba (prática), mas conta com uma rede de proteção (teoria) que o sustentará caso caia;

  • Um dos principais objetivos da avaliação psicopedagógica é compreender o que se passa com a criança – devemos ouvir seu discurso, saber o que se passa, perguntar sobre seus desenhos, entrar em suas brincadeiras, e, se houver necessidade, intervir;

  • A atitude terapêutica do profissional é ponto fundamental na hora de realizar o diagnóstico. Um diagnóstico preciso garante uma sensação de bem-estar em todos que participam deste processo. As informações fornecidas pela família, pela escola, pelo sujeito ao longo do processo precisam ser decodificadas com precisão;

  • Todas as etapas devem ser bem conduzidas de acordo com sua linha de trabalho e permeada pela ética profissional;
    Devemos aprimorar a cada dia nosso olhar e nossa escuta – aspectos cruciais do nosso trabalho. O Diagnóstico é um levantamento de hipóteses:
    → Há danos no organismo?
    → Há problemas de cognição?
    → Há distúrbio ou atraso psicomotor?
    → E os aspectos emocionais como estão?

  • A avaliação da linguagem é imprescindível. Devemos ter clareza de que o objetivo desta avaliação vai além da escolha de provas ou testes específicos que determinem pontuações. O comportamento frente a situações reais de comunicação e a funcionalidade da linguagem são os elementos de maior importância diagnóstica;

  • O ponto determinante para a escolha das estratégias de avaliação é o estigma do distúrbio. A criança cria uma auto-imagem negativa em virtude de seus fracassos escolares e, por temor a novas falhas, evita a execução de atividades formais de leitura e escrita, principalmente nas situações de avaliação. Por este motivo, o avaliador deve esclarecer seu papel de terapeuta desde o processo diagnóstico, procurando promover, de início, atividades específicas menos formalizadas e, apesar disso, suficientes para contemplar o objetivo da avaliação;

  • De acordo com o interesse da criança, podemos fazer da conversa espontânea , dos jogos e atividades gráficas informais, instrumentos interessantes para o início da avaliação, possibilitando maior descontração na execução de atividades mais formais, quando houver necessidade;

  • Em relação a leitura e a escrita devemos observar e traçar algumas estratégias tendo como foco:
    Identificação de grafemas;
    Leitura de palavras;
    Leitura de histórias;
    Emissões gráficas espontâneas;
    Elaboração de história;
    Cópia;
    Ditado de palavras;
    Ditado de textos.

O LIVRO QUE VOCÊ PROCURA ESTÁ AQUI!