"Aprender é descobrir aquilo que você já sabe. Fazer é demonstrar que você o sabe. Ensinar é lembrar aos outros que eles sabem tanto quanto você". (Richard Bach)

Quem sou eu

Minha foto
Florianópolis, Santa Catarina, Brazil
Sou Pedagoga-Educação Especial e especialista em Psicopedagogia e Atendimento Educacional Especializado. Atualmente sou professora efetiva da sala multimeios (SRM) da EBM Osmar Cunha e atuei anteriormente na EBM Pe. João Alfredo Rohr em 2008 e 2009, ambas em Floripa. Em Porto Alegre fui professora no Instituto de Formação e Pesquisa Montessori em 1992, realizando atendimento de crianças com necessidades especiais.Fui Coordenadora Pedagógica do CEI Olívia Palito e prestei Assessoria Pedagógica à Escolas de Ensino Fundamental. Em 1998 atuei na FUPASMI, realizando atendimento de crianças e adolescentes com Autismo e Esquizofrenia. Em 2000 em Florianópolis/SC,passei a trabalhar na APAE - junto às turmas de Educação Infantil, Adolescentes e Adultos e Autistas. Em 2002 fui professora na Escola Especial Vida e Movimento. Em 2005 e 2006, morando no interior do Rio Grande do Sul fui Coordenadora Pedagógica das Escolas Municipais Catarina De Bastiani e Dona Leopoldina e fiz parte da equipe de apoio da Prefeitura Municipal de Tapejara/RS realizando avaliação e atendimento psicopedagógico.

PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA EDUCAÇÃO ESPECIAL PSICOMOTRICIDADE

PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA    EDUCAÇÃO ESPECIAL    PSICOMOTRICIDADE

CONSULTORIA PEDAGÓGICA E PSICOPEDAGÓGICA

"O foco da psicopedagogia é o processo de aprendizagem humana; seus padrões normais e patológicos, considerando as influências do meio durante o seu desenvolvimento. A intervenção visa a otimização das potencialidades e minimização das dificuldades, buscando sempre os recursos das várias áreas do conhecimento para a compreensão do ato de aprender, valendo-se de métodos e técnicas próprias.”


Avaliação Pedagógica ou Psicopedagógica
Diagnóstico e Intervenção
Avaliação Psicomotora
Atendimento Educacional Especializado
Orientação à família e à escola
Elaboração de Projetos Pedagógicos Interdisciplinares
Artesanato-terapia
Jogos Pedagógicos e adaptados
Projeto Psicopedagogia e Psicoterapia na Escola

Consultoria - Palestras:
- Leitura: maneiras de ensinar, maneiras de aprender - uma possibilidade teórica que se efetiva na prática.
- Dislexia - um jeito de ser e de aprender diferente.
- TDA/H - O que é isso?
- Dificuldade, Distúrbio ou Transtorno de Aprendizagem?
- Conhecendo a Discalculia.
- O Jogo e a Brincadeira na Alfabetização.
- Educar para Pensar - um pouco de filosofia.
- Conhecendo o Autismo.

PSICOPEDAGOGIA E EDUCAÇÃO ESPECIAL

A psicopedagogia não vê a aprendizagem somente dentro do espaço da escola, pois entende que ela ocorre em todos os lugares e durante o tempo inteiro no decorrer da existência humana. Investiga as relações do indivíduo com o conhecimento, o vínculo deste com a aprendizagem e as significações contidas no ato de aprender. Articula saberes e fazeres dentro de um espaço lúdico atendendo o aprendente-ensinante em suas necessidades específicas, acreditando e desenvolvendo o potencial de cada um. O público-alvo não se restringe às crianças e aos adolescentes, pois hoje em dia muitos adultos vêm buscando tratamento para as suas dificuldades que muitas vezes se acentuam com a entrada na faculdade.
A clínica psicopedagógica se divide em 4 momentos:


1º - Entrevista (anamnese) – realizada com a família da criança ou com o próprio paciente se este for adulto.


2º - Avaliação (5/6 sessões) – momento de investigação da situação apresentada:
- Desenho Projetivo – Par Educativo
- Provas Operatórias – Piaget
- Caixa de Areia – Sessão Lúdica
- Ditado Balanceado
- Avaliação da Leitura e Escrita
- Avaliação Perceptivo-motora
- Hora do Jogo Psicopedagógica
- Consciência Fonológica
- Avaliação específica do transtorno (AHA–TDAHI adulto; Check List Dislexia adulto; elementos do PEP-R adaptado - Autismo).


3º - Devolutiva – retorno daquilo que foi avaliado e de forma se dará a intervenção.

4º - Intervenção - atendimento em sessões que variam em número de atendimentos semanais de acordo com a necessidade do sujeito.

Os pais são os maiores especialistas em seus filhos, portanto, se perceber que alguma coisa está errada, não demore em procurar ajuda de um especialista. O psicopedagogo é o profissional especialista em aprendizagem. Se a criança não está aprendendo procure ajuda deste profissional. Lembre-se que sozinho não chegamos a lugar algum. Busque apoio e esclareça suas dúvidas sempre que sentir necessidade.



Contato:

Rua João Carlos de Souza, 315 - Santa Mônica - Florianópolis - Santa Catarina


andreiapsicopedagoga@hotmail.com
F: (48) 9162-4810

Para outras localidades ou se você preferir - consultoria on-line. Agende também através do msn com horário previamente marcado após confirmação do pagamento. Entre em contato para maiores informações.


O LEGAL É SER DIFERENTE!

APRENDER! APRENDER? APRENDER. APRENDER...

VISITANTES ON LINE

ENCONTRE O QUE VOCÊ PROCURA!

quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Projeto Pedagógico: Oficina de Papel Reciclado


PROJETO: OFICINA PEDAGÓGICA DE PAPEL RECICLADO

CONTEXTO:

A Escola Municipal de Ensino Fundamental Catarina De Bastiani juntamente com a Secretaria da Educação, Desporto e Cultura do Município de Tapejara/RS atende neste ano de 2006, 95 alunos, sendo 16 de Educação Infantil 79 no Ensino Fundamental – Séries Iniciais. A Escola está situada no Bairro 13 de maio, bairro de periferia do Município.
O corpo docente é composto de:
Diretora: Simone Zanini
Coordenadora Pedagógica: Andréia Santos da Costa Ferrão
Psicóloga: Simone H. Zoppas
Secretária: Revelina Pozzer
01 Professora de Educação Infantil
08 Professoras de 1ª à 4ª série – Ensino Fundamental
02 Professores de Educação Física
02 Professoras de Reforço Escolar/ Hora do Conto
01 merendeira
01 auxiliar de serviços gerais
02 auxiliares de serviços gerais – jovem trabalhador
02 monitoras do projeto de papel reciclado

JUSTIFICATIVA:

¨Uma idéia pode transformar-se em pó ou magia, dependendo do talento que nela tocar.”(Willian Bernbach). A preocupação com o meio ambiente criou uma demanda por produtos e processos amigos do meio ambiente e reciclar papel é uma forma de responder a essa demanda. Assim, os principais fatores de incentivar a reciclagem de papel, além de econômicos são:
- A preservação de recursos naturais (matéria-prima; energia; água);
- Minimização da poluição;
- Diminuição da quantidade de lixo que vai para os aterros.
A reciclagem é um conjunto de técnicas que tem por finalidade aproveitar detritos e reutilizá-los no ciclo de produção de que saíram. Reaproveitar e reutilizar o que de alguma forma foi rejeitado. Sabe-se ainda, que cada 50 quilos de papel produzido corresponde a uma árvore derrubada.
Utilizar-se da técnica de reciclagem de papel artesanal como alicerce pedagógico, possibilita ao educando uma experiência de cidadania concreta, colocando-o em relação com o mundo do trabalho concebido como uma possibilidade de interação com o mundo para transformá-lo.
Este projeto teve início em outubro de 2005 e foi pensado como mais uma alternativa de apoio aos alunos que estão inseridos em uma realidade carente onde a demanda não é o estudo, mas o trabalho, seja ele qual for para manutenção ou sobrevivência. A auto-estima é baixa e a motivação e incentivo para o estudo quase não existe dentro das famílias. Dentre os muitos problemas citamos o álcool, as drogas, a violência e o desemprego como as mais agravantes. Em função disso os alunos não aprendem, ou apresentam dificuldades de aprendizagem, levando à repetência e tendo como conseqüência o fracasso e a evasão escolar.
Além disso, tudo, as crianças estão na rua desde muito cedo, em cima de carroças, juntando lixo para vender ou pedindo o que sobra na casa dos outros para levarem para as suas casas.
Verificando toda essa situação, procuramos uma solução que pudesse ser ao mesmo tempo motivadora, laborativa, lúdica e com enfoque pedagógico.
De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais – Volume 6 – Arte: “A educação em Arte propicia o desenvolvimento do pensamento artístico e da percepção estética, que caracterizam o modo próprio de ordenar e dar sentido à experiência humana: o aluno desenvolve sua sensibilidade, percepção e imaginação tanto ao realizar formas artísticas quanto na ação de apreciar e conhecer as formas produzidas por ele e pelos colegas, pela natureza e nas diferentes culturas”.
A aprendizagem artística envolve, portanto, um conjunto de diferentes tipos de conhecimentos, que visam à criação de significações exercitando fundamentalmente a constante possibilidade de transformação do ser humano.¨
Considerando a realidade apresentada, divulgamos dentro da escola a opção de uma oficina diferenciada que proporcionasse prazer e ao mesmo tempo ensinasse uma profissão.
Acreditamos que os projetos criativos e desafiadores despertem desejo e motivação para que possa ser ampliada e futuramente transformada em uma Cooperativa envolvendo toda a Comunidade Escolar. Para atingir nosso objetivo e efetivar esta iniciativa contamos com o início e a conclusão das obras no CTG Manoel Teixeira.

PROPOSTA:

Sabendo da necessidade de tirarmos os alunos das ruas, pois os mesmos deixavam de freqüentar as aulas para recolherem e venderem papelão, muitas vezes em cima de carroças sem proteção e sem uma lei que amparasse ou legalizasse tal situação, pensou-se em mais uma alternativa para o turno inverso, uma vez que os projetos desenvolvidos pela Secretaria da Saúde e Ação Social não davam conta da demanda ou não despertavam o interesse de todos.
Junto a Secretaria da Educação, Desporto e Cultura, em março de 2005 iniciamos o Projeto ¨Construindo Liberdade¨que oferece oficinas de Capoeira e Percussão. Este projeto atingiu cerca de 45 alunos, mas continuamos sem atingir nosso objetivo – tirar os alunos das ruas e da situação insalubre em que se encontravam.
O Projeto Escolar do ano de 2005 teve um enfoque voltado para a Educação Ambiental utilizando os três ¨erres¨- Reciclar; Reduzir; Reutilizar. Cada turma desenvolveu trabalhos relativos ao tema culminando com a construção de uma casinha de bonecas feitas de caixas de leite. A Secretaria do Meio Ambiente disponibilizou palestrantes; visitas ao Centric – Centro de Triagem e Compostagem e distribuição das cestas de lixo coloridas para organização e separação do lixo. De acordo com a conscientização que começou a ser despertada nasceu à idéia de se trazer o lixo limpo ou descartado dos trabalhos em sala de aula e também doados pela Prefeitura. Surge, então, no papel, a Oficina Pedagógica de Papel Reciclado.
Para efetivarmos o funcionamento da oficina passamos por algumas etapas:
1ª Etapa: Audiência com o Juiz: conversa com o Juiz da Comarca de Tapejara para esclarecer nossas dificuldades em manter os alunos dentro da escola. O mesmo autorizou o funcionamento da oficina por seu caráter laborativo e por não oferecer nenhum risco para os alunos no manuseio dos instrumentos;
2ª Etapa: Conselho Tutelar: informar ao conselho nossa decisão de estruturar uma oficina de papel reciclado como mais uma opção em turno inverso para nossos alunos. Colocamos, ainda, que todo o material produzido (cartões) será colocado à venda e o lucro será dividido pelos alunos que trabalharam, de acordo com as horas trabalhadas;
3ª Etapa: Mudança do Posto de Saúde: aguardamos a mudança do Posto de Saúde que disponibilizou o espaço de mais quatro salas e um banheiro. Com o aumento da escola tornou-se possível montar a oficina que hoje funciona dentro da escola;
4ª Etapa: Estruturação física da oficina: com as reformas montamos a oficina. A estrutura foi completada com a compra de materiais que foram viabilizados pela Secretaria da Educação;
5ª Etapa: Funcionamento da oficina: selecionamos primeiramente seis alunos de acordo com a idade e por não estarem envolvidos em nenhum outro projeto realizado no turno inverso.
6ª Etapa: Capacitação dos alunos: dos seis alunos selecionados, somente duas alunas permaneceram até o fim e hoje são monitoras do projeto. As alunas receberam curso de capacitação durante uma semana totalizando 10 horas-aula.

A oficina teve início em outubro de 2005 e atendeu cerca de 12 dos 22 alunos matriculados nas 4ª séries. Priorizamos o atendimento das turmas que finalizariam seus estudos na escola em dezembro para despertar o desejo de permanecerem vinculados à escola através do projeto.
De outubro a dezembro produzimos cerca de 1500 cartões – todos foram vendidos. Participamos do 3º Encontro Estadual de Experiências Ambientais Intermunicipais que nos rendeu um troféu pela participação com dois projetos: ¨Construindo Liberdade¨e seus instrumentos de percussão de material reciclado e o projeto do papel reciclado com seus cartões.
Através do Prefeito nossos cartões chegaram a Brasília e foram distribuídos aos deputados e ministros.
Para o ano de 2006 encontramos dificuldades novamente com o espaço físico, pois nosso objetivo foi finalmente atingido, reforçado pela regulamentação do uso e condução das carroças.
Atendemos hoje 26 alunos distribuídos em escalas no turno inverso, permitindo a participação de uma vez por semana para cada um, orientados pela monitora do turno.
Nossa demanda é grande. Há alunos e ex-alunos em fila de espera aguardando a desistência de alguém.
Os alunos que participam da oficina ganham merenda, orientação da monitora, orientação da coordenadora pedagógica e também coordenadora do projeto e da diretora. Os alunos participam ainda, de feiras de artesanato promovidas pelo Município.
Com o objetivo de garantir a permanência dos alunos e ex-alunos a estas atividades, pretendemos ampliar nossa produção adquirindo materiais mais específicos para o aprimoramento do trabalho artesanal desenvolvido com a compra de uma prensa; perfurador para encadernação em espiral – para a confecção de agendas e cadernetas; furadores artesanais com motivos específicos para decorar os trabalhos produzidos; tesouras de picote variado; guilhotina e material para reposição mensal – como corante em pó e líquido, cola branca, cola cascorez, doação de papel de boa qualidade através de empresas – já recebemos doação da Prefeitura, e outros materiais como sisal, pétalas de flores secas, folhas secas, frutas secas, etc.
Aguardamos também a reforma do CTG Manoel Teixeira que se localiza ao lado da escola para nos mudarmos e oferecermos uma estrutura física adequada. Pensamos também na contratação e capacitação de um profissional que possa ficar diretamente com os alunos para auxiliá-los não só na produção como também no uso e na confecção dos materiais. A coordenadora do projeto é também coordenadora da escola e sente necessidade de um profissional supervisionando mais de perto o desenvolvimento das atividades.
De acordo com avaliação positiva dos pais e comunidade em geral nossa meta até o fim deste ano é constituir uma cooperativa para envolvermos toda a comunidade escolar.

METODOLOGIA:

O processo de capacitação envolveu a presença de seis alunos selecionados em função da idade e por não participarem de nenhum projeto. Dos seis alunos, somente três alunas permaneceram na capacitação. Destas três alunas, duas são hoje nossas monitoras e encaminham todo o trabalho que envolva a produção do papel realizado na oficina.
As alunas foram orientadas pela coordenadora. A capacitação teve a duração de uma semana e ocorreu durante o turno inverso durante aproximadamente duas horas por dia. Dividiu-se em cinco etapas:
1ª Etapa: Estabelecimento da regras para o funcionamento da oficina; esclarecimento teórico e prático das etapas da produção do papel com registro em cadernos e cartazes e esclarecimento de dúvidas. Neste dia nos reunimos com os pais dos alunos para conscientizá-los da importância do projeto e também esclarecer as dúvidas.
2ª Etapa: Picar o papel e colocar de molho – o papel deve ser picado com as mãos, sem utilizar a tesoura que destrói a fibra do papel.
3ª Etapa: Liquidificar e coar o papel – após 24 horas o papel é liquidificado, colorido e coado com telas específicas.
4ª Etapa: Prensar as folhas – depois de seco, o papel é retirado das telas e colocado sob prensa de livros.
5ª Etapa: Corte e confecção de cartões – o papel é devidamente cortado e decorado de acordo com motivo específico (Natal, Páscoa, Dia das Mães, etc.).

A coordenadora possui formação acadêmica em Pedagogia – Educação Especial para Deficientes Mentais e é também artesã. Desenvolveu esse projeto dentro de escolas especiais em Porto Alegre/RS e Florianópolis/SC. Além de coordenar a escola supervisiona e orienta o trabalho das monitoras juntamente com a diretora, sempre dando dicas e acrescentando sugestões para a confecção do papel. Ambas participam dos detalhes finais da produção selecionando os produtos que serão vendidos. Registram em ata as participações em eventos, elaboração dos projetos e textos enviados para divulgação nas rádios e nos jornais locais bem como documentam as atividades com registro em fotos e em disquetes.
A oficina acontece em turno integral e é aberta aos visitantes.

TÉCNICAS: ROTEIRO DE TRABALHO

POLPA:
Picar o papel;
Deixar o papel de molho durante 24 horas dentro da bacia com um pouco de água;
Bater o papel no liquidificador acrescentando na proporção de 3 partes de água para 1 de papel;
Bater por 10 segundos;
Desligar;
Bater mais 10 segundos;
A polpa está pronta

FAZENDO O PAPEL:
Despejar a polpa numa bacia grande e funda, maior que a moldura;
Mergulhar a moldura verticalmente e deitar no fundo da bacia;
Suspender a tela na posição horizontal bem devagar, de modo que a polpa fique depositada na tela;
Esperar o excesso de água escorrer;
Virar a moldura com a polpa sobre um pano estendido sobre jornais;
Tirar o excesso de água passando a espátula e secando com um pano;
Deixar o papel secar na tela ou sobre o pano.

PRENSANDO AS FOLHAS:
Empilhar 5 folhas de jornal;
Estender um pedaço de feltro;
Colocar o papel ainda úmido;
Estender o feltro;
Colocar mais 5 folhas de jornal;
Repetir a operação até empilhar 12 folhas de papel artesanal;
Colocar a pilha na prensa por 25 minutos ou pressionar com madeira e livros;
Pendurar as folhas para secar;
Fazer uma pilha com 12 folhas de papel artesanal e colocar na prensa por mais 8 horas ou sob livros por uma semana.


INSTRUMENTOS:
Recursos Materiais:
• papel branco de boa qualidade;
• 4 bacias comuns;
• 2 bacias comuns fundas (15 cm);
• 20/30 telas de nylon com moldura de madeira;
• 4 rodos manuais;
• 10 panos de saca ou feltro;
• varal e prendedores;
• 4 escovas duras para limpeza das telas;
• prensa;
• guilhotina;
• 10 tubos grandes de cola branca;
• anilina ou corante xadrez (diversas cores);
• pedaços de papel crepom (sobras);
• pétalas, folhas, sementes, casca de cebola, entre outros para decorar;
• 2 baldes para colocar o papel de molho;
• 1 balança de cozinha para pesar o papel;
• 5/10 furadores decorativos;

Estrutura Física:
• sala com 15/20 m²;
• tanque grande;
• 1 mesa grande com 5 lugares (cadeiras);
• 1 estante ou prateleiras para colocar as telas para secar;
• 1 estante ou prateleiras para organizar o material;
• caixas para organizar os cartões e materiais confeccionados.

RECURSOS HUMANOS: uma monitora para cada turno; um professor para supervisionar e orientar os trabalhos desenvolvidos de finalização – corte e confecção dos cartões, cadernetas, caixas de presente entre outros.

CRONOGRAMA: no ano de 2005 os alunos trabalharam seis horas semanais distribuídas em duas horas cada dia – 2ª, 4ª e 6ª das 14:00 às 16:00. Em 2006 uma monitora em cada turno de 2ª a 6ª feira e 26 alunos distribuídos em escala contemplando um dia por semana para cada um. O aluno que não vem perde o dia de trabalho e é descontado. O pagamento é feito de acordo com as horas trabalhadas.

ADMINISTRAÇÃO DO PROJETO:
Diretora da Escola: Simone Zanini
Coordenadora Pedagógica e do projeto: Andréia Santos da Costa Ferrão

AVALIAÇÃO: Uma vez por mês discutir com os alunos e a comunidade os pontos positivos e negativos encontrados no desenvolvimento do projeto. Levantar propostas e sugestões.








RECURSOS MATERIAIS ADQUIRIDOS EM 2005/2006:


QUANTIDADE MATERIAIS PREÇO UNITÁRIO PREÇO TOTAL
11 Kg COLA BRANCA 10,10 111,10
02Kg COLA CASCOREZ 12,20 24,40
01UNIDADE TOALHA DE MESA PLÁSTICA 1,50 1,50
04 UNIDADE AVENTAIS PLÁSTICOS 1,50 6,00
03 CAIXAS PÓ XADREZ AZUL 4,10 12,30
03 CAIXAS PÓ XADREZ VERDE 4,10 12,30
03 CAIXAS PÓ XADREZ AMARELO 4,10 12,30
01 CAIXA PÓ XADREZ VERMELHO 4,10 4,10
02 CAIXA ANILINAS ENCARNADAS 4,10 8,20
01 CAIXA ANILINAS ENCARNADAS 4,10 4,10
03 TUBOS CORANTES LIQUIDO LARANJA 2,90 8,70
03 TUBOS CORANTES LIQUIDO VIOLETA 2,90 8,70
06 PARES LUVA 1,50 9,00
07 UNIDADES PANOS DE PRATOS 1,00 7,00
10 UNIDADES PANOS DE PRATOS USADOS (2005) 1,00 10,00
04 UNIDADES BACIAS 1,00 4,00
01 UNIDADE BACIA GRANDE DOAÇÃO ESCOLA ---

02 UNIDADES BALDES 1,50 3,00
04 UNIDADES ESPÁTULAS 1,00 4,00
03 UNIDADES ESCOVAS 1,00 3,00
11 UNIDADES CANETAS GEL C/ BRILHO # 1,70 18,70
03 ROLOS FITA GRANDE # 11,50 34,50
01 ROLO FITA VERMELHO C/ DOURADO # 4,50 4,50
02 ROLOS FITA COLORIDA # 4,00 8,00
04 TUBOS TINTA RELEVO 3D # 2,35 9,40
01 UNIDADE LIVRO DE ARTESANATO EM PAPEL SEC. EDUCAÇÃO ---
02 UNIDADES REVISTAS DE ARTESANATO EM CARTÕES 5,90 11,80
10 UNIDADES EMBALAGEM PARA PRESENTE PEQUENA 0,75 7,50
05 UNIDADES LIXAS 0,60 3,00
10 FOLHAS PAPEL CAMURÇA COLORIDO # 0,60 6,00
05 UNIDADES COLA BRILHO # 2,10 10,50


# Adquirido com a verba do FNDE – Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação.


RECURSOS MATERIAIS A ADQUIRIR PARA 2006:

Doação de papel de boa qualidade – Prefeitura, empresas, escolas e bancos (quinzenal);
Todo o material citado na tabela acima tais como: cola branca; cola cascorez; pó xadrez; corante líquido; luvas; canetas gel; cola brilho; tinta relevo e lixas devem ser repostas a cada três meses (trimestral).
Prensa para o papel (material permanente);
Guilhotina nova (material permanente); R$ 46,00.
Perfurador para espiral (material permanente);
Espiral fino para encadernação (mensal);
Alavanca para furadores (material permanente) R$ 45,00
10 Furadores regulares 3mm (permanente) R$ 7,40 a unidade
05 Furadores Jumbo 2,5mm (permanente R$ 10,50 a unidade).
02 Furadores de borda (permanente) R$ 10,50 a unidade
03 Furadores de cantoneira (permanente) R$ 11,20 a unidade
01 Kit furador de letras (permanente) R$ 105,00
01 Kit furador de números (permanente R$ 65,00).
10 Canetas gel glitter (trimestral) R$ 0,97
10 Canetas gel metálicas (trimestral) R$ 0,92

Obs: Falta o orçamento de alguns materiais, pois não sabemos onde comprar. Os materiais que foram orçados vêm de São Paulo, portanto devem receber um acréscimo do valor do frete.


Andréia Santos da Costa Ferrão
Coordenadora Pedagógica

2 comentários:

Maria Lília disse...

Olá! Somos a APAE de Bela Vista/MS e não conseguimos encontrar a prensa para a fabricação do papel para que nossa oficina funcione a todo vapor. Se você tiver algum contato de onde adquiri-la e puder nos passar, por favor, encaminhe ao email: liliaoneto@hotmail.com
Gratos.

BETA disse...

Olá Andréia estou fazendo pedagogia adorei seu blog e mais ainda seus projetos até peguei o da casinha de leite mais coloquei que é mérito seu.Quandop puder faça uma visitinha em meu blog

O LIVRO QUE VOCÊ PROCURA ESTÁ AQUI!